O observatório astronômico Calar Alto de Almería utilizará a biomassa para reduzir sua pegada ecológica e economizar 33.000 euros por ano com a eliminação do diesel

Observatório nevado de Calar Alto

O observatório enfrenta um projeto de transição energética em que, a fim de reduzir a pegada ecológica, substituirá parcialmente suas fontes tradicionais por outras renováveis empregando biomassa e energia solar

O centro enfrenta uma demanda de energia considerável derivada de sua situação de alta montanha e de suas características tecnológicas, com as quais nos próximos meses empreenderá um projeto financiado com Feder Funds constituir uma "ilha de energia" a partir da qual se auto-fornecerá pelo menos parcialmente, como se moveu em uma nota.

"Devido às características particulares dos ambientes que envolvem os observatórios astronômicos profissionais, os custos de eletricidade e combustível são altos", explicou o diretor do observatório e investigador principal do projeto, Jesús Aceituno.

Com a implementação da "ilha da energia" de Calar Alto, o centro pretende ser uma "referência mundial" para outros observatórios profissionais como um modelo de gestão que ajuda o meio ambiente, "com uma redução estimada de 160 toneladas de dióxido de carbono e a consequente otimização das despesas associadas".

O projeto propõe a instalação de uma caldeira de biomassa que substitui o uso de diesel no aquecimento e água quente, proveniente de um sistema de produção de energia solar e substituição de veículos de observação por carros elétricos.

O uso de biomassa envolverá economia anual de 33.000 euros em relação ao custo atual, que aumentará a economia que o autoconsumo implicará através do sistema de painéis fotovoltaicos, que atenderá às necessidades das instalações durante o período diurno, as mais caras das tarifas de energia.

Mais informação: https://www.noticiasdealmeria.com/calar-alto-empleara-biomasa-y-energia-solar-para-reducir-su-huella-ecologica